Arquivo para Texto | Sorvete de Chiclete
02 • janeiro • 2017

Adeus 2016, olá 2017!



Apesar de acreditar que não precisamos de uma data específica para começar alguma coisa, é impossível esquecer do simbolismo que uma virada de ano tem na nossa mente. É como se um ciclo se fechasse para o começo de outro, como se tivéssemos um breve momento de silêncio para recomeçar, uma renovação de sonhos, projetos, objetivos e, também, uma forma de deixar pra trás os velhos medos e problemas.

Eu sei que 2016 foi bem difícil em vários aspectos, sempre teremos a memória de um ano complicado para o mundo de um modo geral, cheio de altos e baixos e perdas tristes, sejam elas individuais ou coletivas. Consigo ver o quanto esse último ano foi marcante de um jeito negativo pra muita gente, mas pessoalmente eu tenho 2016 como um ano excepcionalmente bom.

Acima de tudo, eu só tenho a agradecer por esse ano. Muita coisa mudou na minha vida, mas tudo para melhor e sempre acho importante a gente relembrar as coisas boas e comparar com as ruins. Já reparou que quase sempre a gente viveu mais alegrias que tristezas?

(Sobre) Viver sozinha te amadurece de tal forma que você simplesmente escolhe ver o lado bom das coisas, porque tudo nessa vida é como uma moeda e sempre terá duas faces, mas cada um escolhe o que ver. Vamos aprendendo a tomar todas as rédeas do nosso destino e vendo que muita frase clichê de crônica de comportamento tem seu valor.

Em 2016 eu vivi o lado mais hostil de um ambiente de trabalho, descobri o valor do silêncio e também da honestidade, amadureci sem perceber e entendi quando não tinha outra opção senão seguir em frente, me dei conta da minha verdadeira vocação e encarei meu medos pra entrar de novo na faculdade, vi a segunda chave do meu apartamento voltar a ser minha e não de outra pessoa, entendi que adoro ser independente, mas que a gente sempre precisa de ajuda e companhia, fiz minha primeira viagem completamente sozinha, tive certeza que amo frio e chuva e do quanto o verão me deixa de mau humor. Num resumo, esse foi o ano em que mais convivi comigo e me descobri como indivíduo. E saber quem você é, da cabeça aos pés, definitivamente não tem preço.

Que 2017 seja mais um ano incrível pra vocês, pra mim e pros nossos sonhos. Acima de qualquer coisaa, que a gente tenha esperança que tudo será melhor daqui pra frente e não tenha medo de tentar novas coisas, de mudar e de se conhecer e se amar cada dia mais.

Espero que ano que vem a gente possa estar cada vez mais perto aqui e lá no YouTube também, pois estou trabalhando (devagar e sempre) em várias novidades. Tirei alguns dias só pra organizar tudo na minha vida relacionado à internet e agora estou pronta pra começar 2017 com toda a força, então FELIZ ANO NOVO!!!

22 • maio • 2016

Quando copiaram meu trabalho


IMG_8784

Sempre quando escrevo sobre comportamento ou temas mais pessoais, eu não gosto de fazer de qualquer jeito, como se eu estivesse sentada no computador apenas descrevendo meia dúzia de problemas ou contando uma história simples de um dia qualquer. Geralmente eu prefiro trabalhar naquilo um pouco mais, dar um outro toque ao texto que o torne mais leve de se ler.

Tudo isso é algo que me ajuda a lidar com o os problemas que muitas vezes compartilho aqui, ou mesmo lembrar de uma forma especial alguma coisa nem tão extraordinária assim que me aconteceu. Com as palavras eu tenho esse pequeno poder mágico de conseguir ver melhor um monte de coisas.

Assim, hoje eu peço desculpas pelo modo como esse desabafo vem. Se você não estiver interessado em desabafos, pode fechar a janela agora e fazer outra coisas, amanhã voltamos à programação normal. Hoje eu preciso falar sobre quando copiaram meu trabalho.

Há seis meses eu comecei a trabalhar num projeto de vídeos muito especial pra mim. Não era especial porque me daria muito dinheiro, muitos fãs, muitos likes, mas sim porque é uma coisa que eu amo e que eu gostaria de apresentar ao maior número de pessoas possível. Depois de muito trabalho duro, de ter superado medos, inseguranças e crises de ansiedade, eu finalmente consegui colocar no ar algo com a minha cara, meu jeito e, principalmente, 100% original.

Eu não fui “investigar” o canal de ninguém no YouTube, eu não mandei ninguém ir atacar outra pessoa pelos comentários dos vídeos, eu não esperei para ver como “fulano” gravava os seus vídeos para fazer igual. Eu publiquei os meus vídeos quando ninguém falava sobre o mesmo assunto, mas parece que depois disso alguém achou que seria super certo assistir e poucos dias depois publicar algo igual, com o mesmo nome e chamar de projeto assim como eu fiz. O nome disso não é trabalho e não é conteúdo, é PLÁGIO.

Pessoas tem ideias iguais? Sem dúvida! Mas a gente sabe que entre uma ideia igual e copiar um trabalho por completo existe um enorme abismo. Quando você copia o trabalho de alguém está roubando propriedade intelectual.

Quem me acompanha vai entender todo o contexto e do que estou falando. O que eu vou fazer? Não sei, na verdade acho que acabei de mãos atadas e completamente desmotivada. Recebi carinho de pessoas incríveis lá no Facebook, mas pra ser bem honesta ainda estou digerindo a história e tentando entender se o conselho de que “se estão te copiando é porque você está fazendo sucesso” vai colar pra mim. Existem pessoas que acompanham o meu trabalho e são absolutamente MARAVILHOSAS, que estão me dando apoio e me incentivando a não parar só porque alguém não soube lidar com o crescimento e a visibilidade que meu trabalho tem tido nos últimos meses.

Por enquanto, estou buscando forças e motivação, o que nem sempre é fácil quando você tem outro emprego, estuda e o pouco tempo que tem de vida social você substitui por fazer algo porque gosta e não por likes ou fãs.

Não me entendam mal, por favor, eu quero e eu vou continuar o projeto porque ele é muito importante pra mim, mas é difícil não querer desistir, sabe? No momento eu estou tirando um tempinho pra pensar se vale mesmo a pena continuar fazendo algo nesse universo cada vez mais sem ética e caráter chamado internet. Algumas coisas parecem bobas aos olhos de algumas pessoas, mas podem te destruir por dentro caso a gente esteja lutando outras batalhas ainda maiores.

O ditado vale aqui: todo mundo está lutando uma batalha sobre a qual você nada sabe. Seja gentil sempre. E não copie, crie!

P.S.: obrigada pelos 800 inscritos lá no canal ❤️ Quero preparar alguma coisa bem legal quando chegarmos a mil, o que acham?

17 • maio • 2016

Manhã de um sábado nublado


IMG_8405

Sempre tive alguma conexão doida com clima chuvoso. Basta amanhecer um dia nublado pro meu humor melhorar e pra eu me sentir feliz, disposta, empolgada, como se aquele cheirinho de umidade já trouxesse consigo alguma coisa que me faz bem.

IMG_8380

Eu sei que pode parecer que eu eu não estou fazendo nada do lado de cá, mas na maioria das vezes é exatamente o contrário: tem tanta coisa acontecendo e eu não consigo lidar com tudo de uma vez. Geralmente eu preciso de um ou dois dias quietinha – controlando a ansiedade – pra conseguir organizar e continuar levando as coisas da melhor forma possível. Não encontrei um jeito para falar sobre o assunto com vocês ainda, mas vamos conversar sobre essa tal ansiedade assim que eu souber como fazer isso de um jeito mais leve e não chato.

IMG_8386
Essas fotos eu tirei na manhã do último sábado, aproveitando o céu nublado e a luz gostosa que ele dá no meu quarto. Amo as tonalidades que essa luz projeta, o jeito que a iluminação entra pela janela e a suavidade que ela dá para ss fotos, é definitivamente meu tipo de luz natural favorita.

IMG_8370

Como eu disse lá no Instagram, o café da manhã não era de hotel. Eu não estava em Paris, ou fotografando para uma revista, ou abrindo milhões de caixas que chegaram pelo correio. Eu estava apenas vivendo um dia só pra mim – com minha câmera e o controle remoto nas mãos – e olhando ao redor para todas as coisas especiais e surpresas do cotidiano.

IMG_8402

Gosto de tirar alguns dias só para olhar para dentro. Para tudo que eu sou grata e vivi até agora, para cada coisinha boba que me arranca um sorriso na correria dos dias. Existe uma beleza inexplicável nos detalhes, sempre que puder vale a pena apertar os olhos para enxergar nas entrelinhas da nossa própria história.

Afinal, quem faz a vida ser especial somos nós mesmos, certo?

Sorvete de Chiclete - Todos os Direitos Reservados - Copyright © 2017 - Ilustração por Juliana Rabelo